Como é voar pela companhia mexicana Volaris

A Volaris é uma companhia mexicana de baixo custo que voou pela primeira vez em 2006. As operações começaram tendo como base o aeroporto de Toluca, uma espécie de Viracopos em relação à Cidade do México, mesmo modelo da Azul aqui no Brasil, que se estabeleceu no aeroporto de Campinas.

+ Veja dicas do México

Hoje, com o fim da companhia concorrente Mexicana, a Volaris ganhou muito espaço no aeroporto Benito Juárez, o principal da Cidade do México, e tem voos inclusive para várias cidades americanas, entre elas Los Angeles. Alguns destes destinos são operados em parceria com a Southwest.

Comprei minha passagem de ida de Puebla até Cancun pelo site da própria Volaris. Foi super tranquilo encontrar a melhor data e os preços eram menos da metade em relação às concorrentes. Não tive problema algum. Poucos segundos depois, o e-ticket já estava no meu email. A cota de bagagem para voos nacionais é de 15Kg e de 25Kg para internacionais. A compra de bagagem extra pode ser feita juntamente com as passagens. No próprio site, é possível também contratar serviços de shuttle entre diversos aeroportos e cidades da região, inclusive entre Cancún e Playa del Carmen.

Aeroporto de Puebla, MéxicoAeroporto de Puebla, México

 

 

 

 

 

 

 

 

Avião

A Volaris se orgulha por poder dizer que tem a frota mais jovem no México. Os 31 aviões são modelos A319 e A320, configurados em 3 assentos, corredor e 3 assentos, assim como os que estamos acostumados nas companhias domésticas brasileiras Gol e TAM. O espaço entre as poltronas também era como as das nossas empresas. E realmente o avião era novíssimo, tinha cheiro de novo.

Avião da Volaris

Serviço

O atendimento das comissárias foi ótimo desde o embarque até o desembarque. Mesmo o avião estando cheio de crianças empolgadas por estarem indo para o Caribe mexicano, elas foram pacientes em atender as famílias, todas em alvoroço. Eram poucos turistas no voo.

Voo da Volaris

Apesar de ser uma companhia low cost e o voo ser de curta duração (menos de 2 horas), a Volaris tinha um serviço de bordo muito bom se compararmos às companhias domésticas brasileiras, principalmente no quesito bebidas. Além de refrigerantes e sucos, havia cerveja, ron, vodka e tequila, claro. Para comer, foram servidos salgadinhos, como batatas fritas e outros chips. Quando escolhi apenas a batata, a comissária me perguntou por que eu não pegava um saquinho de chips também. Ou seja, o serviço, embora simples, era farto.

Entretenimento

Como forma de entretenimento, havia telas coletivas com uma programação chamada TV Volaris. Era bem interessante até, pois tinha muitas dicas de turismo em cidades mexicanas, inclusive meu destino, a Riviera Maya. Foi entregue também a revista “V”, bem parecida com as da Gol e TAM, com variedades e informações turísticas. Para um voo de apenas 2 horas, foi o suficiente, não me senti entediado.

Chegada

A chegada no aeroporto de Cancún foi pontual e o desembarque muito tranquilo, assim como a retirada das bagagens, que não demorou mais de 10 minutos. Para quem não vai ficar em Cancún, como foi meu caso, no próprio desembarque você encontra as empresas que fazem shuttle para Playa del Carmen, Tulum e outras cidades. Não tem como errar.

Aeroporto de Cancún

Conclusão

Gostei muito da Volaris. Achei uma companhia jovem, com aviões novos, bom serviço de bordo e com aquele ar de simpática. O contrário da imagem de tive da Aeromexico – com a qual fiz o voo de volta -, que achei uma empresa “velha” e meio ranzinza. Na Volaris não, eles me cativaram. Indico para diversos amigos que viajam da Cidade do México para Cancún, ainda mais agora que a maioria dos voos parte do aeroporto principal da capital mexicana e não é mais preciso fazer um deslocamento longo. Tratando-se de um voo doméstico em uma empresa low cost, superou todas as minhas expectativas.

 

Booking.com

Rafael Carvalho

Mineiro fã de frango com quiabo e de uma boa cerveja, mora atualmente em São Paulo. É formado em Rádio e TV , pós-graduado em Jornalismo em Comunicação Hipermídia e trabalha há mais de 10 anos com Conteúdo Digital. Apaixonado por viagens, fundou o Esse Mundo É Nosso e roda o Brasil e o mundo o ano todo sempre em busca de dicas para serem compartilhadas.

6 Comments

  1. LILI disse:

    Já voei pela volares, realmente a companhia é muito funcional. Só se atentem para as bags de mão. As bolsas femininas por menores que sejam, são consideradas bags de mão. Eu tinha uma malinha de rodinhas das que são consideradas malas de cabine e me cobraram 300pesos no gate. Fiquei irritadíssima.

  2. Fabio disse:

    Rafael, obgdo pelas dicas, por causa delas tive coragem e comprei bilhetes MEX CUN MEX no site da volaris. Tenho duvidas quanto a possiveis taxas extras… Como fazemos o checkin? Pode ser na web? O lanche a bordo tem custo? Aguardo…

  3. Diego Ernan disse:

    Seguindo sua dica que li em algum blog que remeteu ao seu blog, utilizei a VOLARIS no começo de abril, fiz MEX-Cancún (ida e volta), achei a companhia bem legal, bom atendimento, tomei "unas cervezas" durante o voo. É só ter cuidado em realação aos terminais no aeroporto de Ciudad de México, o resto foi muito tranquilo, check-in rápido e organizado, o despache da bagagem também, o voo foi tranquilo e a chegada em Cancún é em cima de um viaduto, os carros passando por baixo, muito muito perto do avião!
    Estou agora pesquisando opiniões sobre a Taca.
    Valeu pela dica!

  4. Edwiges disse:

    Rafael, você testemunhando o ocorrido fico a pensar como os vôos domésticos deixam a desejar… No nosso vôo de Floripa a São Paulo, serviram um pãozinho com um recheio, o qual não identifiquei, dei uma mordida e descartei, não tinha gosto de nada… Acabei de ler que a GOL volta atrás e assume oficialmente o fim dos lanches gratuitos. Era só o que faltava…
    Eles deveriam sim, era melhorar
    as aeronaves, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *